Pinterest

Pin-dica do dia

· Adicionar Comentário

Olá!

Já ouviu aquele ditado que diz que criatividade é saber esconder suas fontes? Pois é, nada mais verdadeiro. E não tem nada de errado com isso, acredite! Desde que você não copie o trabalho alheio, claro…

Todos nós temos fontes de inspiração, pessoas e artistas que fazem com que o melhor de nós aflore. Eu por exemplo adoro visitar papelarias. Depois de passear pelas gôndolas de cadernos, pastas, canetas e coisinhas fofas, chego em casa cheia de ideias – é como se ver coisas que eu gosto resgatasse o melhor que está escondido lá no fundo de mim.

20170113_Grupos_Pinterest

De uns anos pra cá, o Pinterest tem sido uma fonte básica de ideias e um dos melhores locais para divulgar nosso trabalho (o meu e o seu!), com muitas possibilidades. Pode ter certeza que a maioria das artes que eu faço e mostro no blog ou que ensino pra vocês, encontrei e aprendi em algum lugar na web – através do Pinterest. Além disso, é um dos melhores lugares para divulgar meu conteúdo criativo e divulgar minhas dicas sobre empreendedorismo, como esta.

Mas o que pouca gente sabe é que além de criar pastas sobre o que nos interessa, podemos fazer parte de pastas de grupo. Isso mesmo, pastas de grupo!

o.O – E o que é isso?

Uma pasta de grupo é aquela onde várias pessoas contribuem com pins. Ela aparece no perfil de todo mundo que participa da pasta. Se você pode ou não convidar outras pessoas para contribuir vai depender das configurações que o “dono” da pasta definiu.

Captura de tela 2017-01-11 12.06.50b

O.o – Ok, mas porque eu ia querer fazer parte de uma pasta em grupo?

Ora, primeiro pra poupar tempo. Procurando sobre o que te interessa usando palavras-chave muitas vezes é frustrante, porque muito do que aparece como resultado não tem nada a ver com o que você quer.

Por sua vez, participar de uma pasta em grupo significa que você tem acesso direto do seu perfil a uma pasta onde você tem certeza que vai encontrar o que procura! Você vê o que outras pessoas estão pinando sobre aquele assunto e contribui também com seus próprios pins. Tá, tem gente que não contribui muito, mas tá tudo bem! Como um porto seguro, sabe? Feito por todos, para todos.

Além disso, se além de coletar ideias você quer fazer com que o seu perfil sobressaia no meio do mar do Pinterest, você praticamente TEM QUE pinar conteúdo além do seu próprio, e as pastas de grupo são a melhor alternativa para fazer isso. Não sei se vocês notaram, mas nos últimos anos as redes sociais criaram mecanismos para praticamente “esconder” as publicações de quem quer divulgar seu trabalho. Postagens que fazemos na nossa página do Facebook, por exemplo, aparece apenas para um pequeno número de seguidores da página. E uma forma de contornar essa situação é divulgar material alheio. Tanto o Pinterest como o Facebook percebem quando você divulga conteúdo de outras pessoas e faz com que suas próprias publicações se sobressaiam. No Pinterest, a melhor maneira de fazer isso é pinar em pastas de grupo.

No meu caso, tenho pastas específicas para divulgação de cada segmento do meu negócio: cursos online, artigos sobre empreendedorismo craft, minhas artes, festas personalizadas, posters, scrapbook digital, decoração de blogs….

Mas para todos os outros assuntos que me interessam e que coleciono pins como fonte de inspiração, como paletas de cores, artesanato, planners e agendas, festas e scraproom, tenho pastas de grupo. Tem até fitness e comidinhas, moda e decoração! Todas elas estão marcadas com o nome {collab}, de colaboração, pra que todo mundo saiba que aquela pasta é de todos! Com isso, aproveito para melhorar meu posicionamento no Pinterest.

ü - Que legal! E eu posso participar?

Claaaaro!! E é tão simples como escrever pra mim. Me diz seu nome de usuário no Pinterest e em quais pastas você quer que eu te adicione. E pronto! Em poucos dias você já vai ter aí no seu painel uma pasta super bacana com ideias sobre o que mais te interessa, onde você vai sempre achar o que realmente procura e que você pode (e deve!) contribuir também.

Bora pinar! =)

Beijos,

Vanessa


ArtesaoEmpreendedor

#12 – Como Empreender em Tempos de Crise

· Adicionar Comentário

Como se não bastassem as dificuldades próprias de se manter uma empresa de uma só pessoa, ultimamente o país vem passando por uma crise econômica muito séria, o que acaba prejudicando ainda mais o que já não era tão fácil. E para quem não tem emprego nenhum, esse parece ser o pior momento para começar a colocar em prática uma ideia, ainda que a princípio ela pareça promissora.

Mas crise política à parte, sempre existe uma luz no fim do túnel. Ou quatro! Vamos ver agora quatro pontos bem específicos em que podemos focar para dar os primeiros passos no caminho de uma trajetória rentável sem ter que investir um dinheiro que não temos.

20160520_Scrappiness_Empreender_Tempos_Crise

1 – Faça uma lista das suas competências.

Essa semana eu estava conversando com meu filho sobre o escambo. Na verdade, era ele que me contava como era o comércio antes de existir a moeda. Então eu ressaltei a importância de que cada um se dedique àquilo que sabe fazer bem. Se eu sei plantar, mas não entendo nada de armas, posso trocar dois sacos de milho por algumas lanças. Dessa maneira, quem sabe fazer lanças não morre de fome e eu consigo me defender. É o que se chama win-win situation, ou situação onde todos saem ganhando.

Pode até ser que esse papo de escambo tenha te acendido algumas luzinhas na cachola, mas não é por esse caminho que eu quero enveredar. A ideia aqui é manter o foco na nossa aptidão, nos nossos dons, naquilo que levamos dentro e que sabemos que conseguimos fazer bem.

Mas por onde começar? Pelo mais simples, é claro! Aqui vão algumas ideias:

  • Cozinhar – Doces, comidas salgadas, refeições, bolos, comidas especiais, tipo sem glúten ou sem lactose ou qualquer outro quitute que seja resultado da sua mágica (porque cozinhar é algo mágico!)
  • Arrumar casas e espaços – Diferente de fazer faxina, o personal organizer pode ser contratado para arrumar armários e cômodos na casa do cliente.
  • Ensinar – Aulas particulares de matérias escolares, aulas online ou via Skype, aulas particulares de algum esporte, aulas particulares de qualquer outra coisa que você saiba fazer!
  • Fazer serviços que as pessoas não estão dispostas a fazer – E nessa categoria podemos incluir absolutamente tudo! Levar o(s) cachorro(s) do(s) vizinho(s) para passear, realizar pequenos serviços em casa, como colocar quadros na parede ou instalar a antena da TV, passar roupa, fazer a compra do mercado, entre outras muitas coisas.
  • Oferecer serviços que as pessoas precisam – Cuidar de crianças e idosos, ser motorista particular, ser assistente particular.

Repare que cada uma dessas atribuições podem ser vistas como aptidões particulares, então tudo o que você tem a fazer é listar o que você sabe fazer bem e o que você pode oferecer às pessoas.

2 – Encontre as pessoas que precisam do que você tem a oferecer.

Da mesma forma que você procura por aquilo que precisa, muitas pessoas podem estar procurando por aquilo que você tem a oferecer. Você começará a ganhar dinheiro quando elas te encontrarem e se convencerem que você é a solução para os problemas que elas têm! Nesse ponto já temos dois fatores: o primeiro é encontrar as pessoas; o segundo é convencê-las.

Dependendo das suas aptidões, daquilo que você listou no ponto 1, as pessoas que precisam do que você tem a oferecer podem estar nos mais diferentes lugares. Mas não se desespere, porque existe um atalho: hoje em dia todo mundo está na internet! E isso é um fato, quer a gente goste ou não. Então, o caminho lógico é usar as redes sociais para entrar em contato com potenciais clientes e expor o seu produto. Mas antes de sair por aí se apresentando, você precisa de uma boa carta de apresentação, ou seja, a sua imagem (guarde este ponto que já voltaremos a ele).

Para convencer as pessoas que você é uma pessoa honesta, excelente profissional e oferece um serviço de qualidade, você precisa mostrar um pouco de si, do que sabe fazer. E nessa hora, a primeira impressão é a que fica, a sua quanto e as de seus produtos e/ou serviços. Por isso, cuidar da imagem é essencial (pronto, voltamos à questão da imagem).

Como vocês podem ver, imagem é fundamental, tanto para encontrar potenciais clientes quanto para convencê-los de que você é a melhor escolha que eles têm! E isso nos leva ao seguinte ponto…

3 – Apresente uma imagem impecável.

Existem muitas abordagens para a questão da imagem. A primeira é sem dúvida a sua marca. Invista tempo e cuidado para selecionar o nome que você quer usar profissionalmente e abra um e-mail com esse nome (não precisa ser em domínio próprio se você não tiver dinheiro para investir – ainda).

Geralmente o nome vem atrelado a um logotipo. O mesmo cuidado que você tem com sua roupa antes de sair de casa, tenha com a imagem do seu negócio. Escolha cuidadosamente sua imagem, sua identidade visual. Ainda que isso normalmente seja um serviço caro, você pode encontrar profissionais qualificados que fazem um serviço de qualidade a um preço acessível (eu por exemplo!). Pesquise, compare, encontre o profissional que consiga refletir o seu estilo, para que a sua marca fique com a sua cara. Seu cliente tem que se apaixonar!

Uma vez que você tenha a sua imagem definida, direcione o foco para o público. Monte um blog para apresentar seus produtos e serviços, escolha boas fotos (que podem ser tiradas com o seu celular), abra uma página do Facebook, se apresente para seus amigos mais próximos e conte sobre o que você está fazendo, entre em grupos do mesmo nicho que o seu, comece a se relacionar com as pessoas, conecte!

O maior segredo para boas vendas é uma boa conexão, uma sintonia que surge entre um potencial cliente e a sua marca. Quando o cliente chega até você e começa a descobrir o que você tem a oferecer, imediatamente uma conexão é criada. Ou não. Por esse motivo não vendemos as mesmas coisas a todas as pessoas, porque não conseguimos nos conectar da mesma forma com todas elas.

E se você ainda não entendeu esse ponto da conexão, pense em você mesmo. Qual sua marca de sapatos favorita? Por que? Da mesma forma que você sentiu uma conexão com essa marca, as pessoas – seus clientes! – sentirão uma conexão com a sua marca. Por isso a questão da imagem é tão importante. Você precisa ser autêntico e sua marca deve levar consigo o estilo que você imprime ao seu produto e aos seus serviços.

4 – Use o que você tem.

Sim, o dinheiro está curto e por esse motivo você deve gastá-lo de forma consciente. Avalie cuidadosamente onde você tem que gastar dinheiro (leia-se INVESTIR) e onde você pode economizar. Para ter uma ideia mais clara, aproveite tudo o que você puder, recicle, use várias vezes, peça emprestado para amigos e parentes, pelo menos no início. Agora é hora de dar os primeiros passos com muita coragem e garra, porque tudo pode dar errado, mas tudo pode dar certo!

Dê o seu melhor, pense em tudo o que você pode fazer sozinho, invista apenas naquilo que você sabe que outras pessoas fazem melhor que você e siga em frente. Ainda que você precise se capacitar, pense que o momento é de muita cautela e jogar com o que você já tem em mãos é mais seguro. Faça uma lista de tudo aquilo que custa dinheiro e veja quais são os pontos imprescindíveis neste momento inicial. Abra mão do que pode ficar para depois e volte a analisar sua lista em alguns meses. Com certeza você já vai ter tido algum retorno e vai poder continuar investindo no seu negócio!

Boa sorte!

E não deixe de ler os outros artigos da série!

Artesão Empreendedor # 11 – Novos rumos no caminho de sempre
Artesão Empreendedor # 10 – Seu estilo, sua marca
Artesão Empreendedor # 9 – Feedback dos clientes
Artesão Empreendedor # 8 – Repensando seu negócio craft
Artesão Empreendedor # 7 – Não deixe a peteca cair quando as vendas caem
Artesão Empreendedor # 6 – Ao alcance de um clic
Artesão Empreendedor # 5 – Boas práticas em blogs
Artesão Empreendedor # 4 – Forma vs. Conteúdo
Artesão Empreendedor # 3 – Conteúdo
Artesão Empreendedor # 2 – Por onde começar (e continuar)
Artesão Empreendedor # 1 – Introdução

20160116

Papelaria Personalizada ♥ Santo Encanto

· Adicionar Comentário

A Júlia é uma cliente antiga que me procurou mês passado pra dar uma revitalizada na sua papelaria impressa. Ela queria um fundo personalizado e confesso que foi uma delícia criar uma arte só para ela, do jeito que ela queria! Fiz cartão de visita e tags para que ela pudesse colocar em seus produtos e encantar ainda mais seus clientes.

Pra quem quiser entrar em contato com ela:

Santo Encanto – Júlia Querido

(12) 3011-0758 / (12) 98118-5695

santoencanto@bol.com.br

Taubaté – São Paulo

Se você também está pensando em uma identidade visual diferenciada do jeito que você quer, dá uma olhada nas artes disponíveis lá na loja. E se não encontrar o que estava procurando, escreve pra mim. Vai ser muito legal criar algo lindo pra você também!


EmpreendedorismoCraftt

Artigos grátis do Curso de Empreendedorismo Craft

· Adicionar Comentário

Gente, vocês não imaginam como está sendo bom ensinar sobre um dos assuntos que eu mais gosto: empreendedorismo criativo! A primeira turma é fantástica e os alunos são de várias áreas: desde quem tem um ateliê de peças em madeira, passando pelas festinhas personalizadas, até quem prepara doces e bolos encantados para festas temáticas.

As aulas foram idealizadas de acordo com a minha própria experiência de montar um negócio paralelo em casa, ao mesmo tempo que trabalho fora e cuido da família. E você, conhece essa história? Te lembra alguém que você conhece? Então vem saber um pouco mais sobre esse assunto! Preparei material de apoio e 3 artigos que tratam sobre organização, saúde e bem-estar para quem usa um pouco de sua própria casa para tocar seu negócio, além de muitas dicas sobre como começar e como aperfeiçoar o seu negócio. Inscreva-se e receba tudo isso por e-mail, simples assim!

EmpreendedorismoCraftMini


#11 – Novos rumos no caminho de sempre

· 2 Comments

Eu queria começar falando um pouco sobre nosso trabalho e nossas escolhas. Aquela coisa de “fazer o que a gente gosta” é uma ideia muito romântica e pouco prática que não reflete a realidade e pode nos levar por caminhos muito tortuosos. É claro que algumas pessoas foram muito felizes e tiveram muito retorno fazendo apenas o que gostam, mas não é o caso para a maioria de nós. Gostar do que fazemos é algo muito mais coerente e que com o passar do tempo pode nos realizar tanto pessoal como profissionalmente. Principalmente quando somos realmente apaixonados pelo que fazemos!

20131107_Scrappiness_Novos_Rumos_Caminho_Sempre

Quando a gente toca o nosso próprio negócio, temos responsabilidade sobre todas as etapas, desde a concepção, passando pela criação, até chegar na divulgação e venda do nosso produto ou serviço. Quando cuidamos pessoalmente de todas as etapas, temos que ter disposição e muita disciplina para dar o melhor de nós em cada uma delas, sem deixar cair a qualidade do serviço, produto ou atendimento. E quando temos outras pessoas fazendo parte da equipe, temos que ter a visão global do processo para conseguir identificar problemas e possíveis melhorias, além de conseguir transmitir a cada uma dessas pessoas os valores da empresa e o que esperamos delas profissionalmente para que a empresa continue refletindo nossos próprios ideais.

É normal termos muitas ideias e vontade de colocá-las todas em prática ao mesmo tempo. Mesmo que isso não seja possível, é importante não desistir das nossas metas e manter o foco. Aliás, é o foco que vai nos direcionar, fazendo com que continuemos nossa empreitada… ou não.

Um exemplo: se uma ideia que você achou maravilhosa, teve um trabalho imenso para colocar em prática, não gerou os resultados que você esperava, o que você faz?

  • Se sente frustrado e abandona a ideia?
  • Absorve o baque, mas continua caminhando?

Nas duas opções é importante notar que “vai dar trabalho”. Não é fácil desistir do sonho de ver a própria empresa crescendo e ter cada vez mais receio de colocar novas ideias em pratica com a possibilidade de falhar. Por outro lado, quando uma ideia falha, é muito importante rever o que foi feito e encontrar onde foi que falhamos e o que podemos melhorar.

Quando meus primeiros kits digitais ficaram prontos, achei que seria suficiente colocá-los na loja e divulgar, que os clientes simplesmente chegariam e se encantariam, e eu faria muitas vendas. Não foi assim. Com o tempo e muito estudo, percebi que fazer o cliente chegar no meu produto é um caminho árduo, com muitas etapas, e eu tenho que preparar cuidadosamente cada uma delas para que o cliente não se perca. Então, aprendi como captar a atenção do cliente, como direcioná-lo para onde eu queria (meu produto) e como convencê-lo de que o meu produto era justamente o que ele precisava! Passei a organizar meus lançamentos com semanas de antecedência, aprendi a criar expectativa e a envolver o cliente com o meu produto antes de colocá-lo na sua frente e principalmente, aprendi que uma venda não termina quando o cliente faz o pagamento. Existe todo um processo de pós-venda para manter o cliente engajado com a marca e desejando o próximo lançamento.

Então, quando uma ideia com muito potencial não der os resultados esperados, não desanime! Nessa hora é importante manter o foco para encontrar uma nova direção no caminho que você escolheu trilhar lá atrás, quando começou o seu negócio. E é importante também dar uma pausa depois disso para avaliar o que não funcionou, para poder definir novos passos.

Tenho um hábito muito bom e muito ruim ao mesmo tempo: sou extremamente realizadora e imediatista. Quando tenho uma ideia ou penso em alguma coisa nova que poderia implementar no meu trabalho, no minuto seguinte já estou colocando em prática. Isso é ruim porque muitas vezes não avalio os prós e os contras com a atenção que deveria, mas por outro lado é muito bom porque estou sempre colhendo resultados, o que me mantém em constante movimento. Além disso, se vejo que a ideia foi equivocada, então sim paro para pensar se posso ajustá-la ou se é melhor descartar e partir para outra direção.

Então, se o seu negócio não está indo para onde você esperava, você pode escolher entre deixar tudo de lado e desistir ou mudar de rumo, mantendo o caminho inicial. As ideias vão te ajudar a escolher uma nova direção e por menores que sejam as mudanças (porque nem sempre dispomos de investimento, tempo ou mão de obra), elas vão movimentar o seu negócio. O importante é não ficar parado! Se você continuar em movimento, vai gerar movimento em volta de você e as coisas vão começar a acontecer. Então é só seguir o fluxo!

Foi com esse pensamento que estruturei uma rotina de trabalho que me permite testar minhas ideias e adaptá-las, sempre apresentando o melhor de mim para o meu cliente. E quando sistematizei o meu processo, percebi que tinha em mãos uma ferramenta valiosa para os que trilham o mesmo caminho de tocar o próprio negócio.

Foi assim que surgiu o curso online de Empreendedorismo Craft. Ali eu ensino o passo a passo de como organizar todos os aspectos de um negócio próprio onde na maioria das vezes somos responsáveis por todas as etapas. Porque percebi também que muitas dúvidas que meus leitores tinham, eu já havia superado! Foi um grande trabalho arrumar as ideias e colocar tudo de forma clara, mas acho que consegui meu objetivo, porque os alunos que passaram pelo curso só têm a agradecer. E eu fico muito feliz com isso!

Artesão Empreendedor # 10 – Seu estilo, sua marca
Artesão Empreendedor # 9 – Feedback dos clientes
Artesão Empreendedor # 8 – Repensando seu negócio craft
Artesão Empreendedor # 7 – Não deixe a peteca cair quando as vendas caem
Artesão Empreendedor # 6 – Ao alcance de um clic
Artesão Empreendedor # 5 – Boas práticas em blogs
Artesão Empreendedor # 4 – Forma vs. Conteúdo
Artesão Empreendedor # 3 – Conteúdo
Artesão Empreendedor # 2 – Por onde começar (e continuar)
Artesão Empreendedor # 1 – Introdução